Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

BOM GARFO

Na minha cozinha... Simples e experimental... Colorida e divertida... Nascem sabores para degustar, para alegrar a família e os amigos... e para partilhar com quem seja Bom Garfo:)



Segunda-feira, 31.03.14

Empada gigante de frango à asiática

Esta empada foi uma invenção, uma deliciosa invenção... Hum, é colorida,  cremosa, super saborosa, o seu paladar faz-nos viajar até à Índia e à China! E rende bastante. É bastante fácil de fazer e penso que acompanhada por uma simples salada se torna uma refeição equilibrada. No entanto, também poderá acompanhar com arroz branco.

Esta empada faz, decididamente, parte da minha lista de "receitas de uma vida", ou seja, tornou-se hábito cá por casa.

 

INGREDIENTES para 6 PESSOAS (Doses)

2 peitos de frango do campo 

1 pacote de mistura de legumes chineses de 400 gr (usei do Pingo Doce)

1/3 de pimento vermelho

1 cebola média

3 dentes de alho

1 mão cheia de azeitonas verdes recheadas com pimento (das de frasco)

500 ml de béchamel

1 embalagem de queijo creme Philadelfia (250 gr)

1 colher de sopa de manteiga (uso Matinal Magra)

coentros frescos

1 caldo knorr de galinha

sal, pimenta, açafrão e caril q.b.

2 embalagens de massa folhada de compra (cada uma de 230 gr, usei do Pingo Doce)

umas gotinhas de limão

PREPARAÇÃO

Forrar uma tarteira alta com 1 massa folhada. Picar-lhe o fundo. Reservar. Cozer o frango, escorrer, desfiar e reservar.

Numa frigideira, com manteiga, levar a alourar os alhos picados, o pimento picado e a cebola picada. Depois, acrescentar os legumes chineses. Adicionar o tempero: caldo knorr, açafrão e caril. Envolver bem. Assim, que este preparado estiver "salteado" (cozido mas "rijinho" ainda), juntar o queijo e dissolvê-lo. De seguida, adicionar o béchamel e mexer bem. Tem um lindo tom amarelado com as cores dos legumes a salpicar, uma alegria para a vista! Mas, continuando... polvilhar com coentros picados e azeitonas partidas em rodelas, mexer tudo para encorporar bem. Salpicar com umas (poucas) gotinhas de sumo de limão (tipo 1 colher de sobremesa no máximo) e juntar o frango. Mexer. Deve ficar cremoso. Prove e rectifique o tempero com um pouco de pimenta.

Verta o preparado sobre a tarteira forrada com a massa folhada. Com a outra massa, faça uma tampa e una as duas massas pelas bordas, a todo o redor. Corte e apare excessos de massa, sem nunca se esquecer de as unir bem. Faça uns ligeiros cortes por cima e pique com o garfo, para ajudar a sair o vapor. Leve ao forno pré-aquecido. É deliciosa! 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Sábado, 29.03.14

Quadrados folhados de camarão e bróculos

 

Esta é mais uma versão dos quadrados folhados, desta vez com camarão. Como já tinha dito, quando aqui publiquei a receita dos quadrados folhados de pescada, esta receita tanto serve como entrada/petisco como refeição. Tudo depende se lhes acrescenta algum acompanhamento ou não. E como acompanhamento posso sugerir um arroz branco, ou um arroz com algum legume (como ervilha ou cenoura) ou apenas um simples esparregado de espinafres. Estes quadrados são muito vistosos, dá gosto olhar para eles... e são saborosos!

INGREDIENTES para 6 QUADRADOS

6 folhas quadradas de massa folhada fresca de compra (usei a do Pingo Doce)

24 camarões grandinhos (4 por cada quadrado)

1 embalagem de bróculos congelados (das pequenas)

4 dentes de alho

1 colher de sopa de manteiga (uso Matinal Magra)

1/2 embalagem de queijo creme Philadelfia (= 100 gr)

200 ml de béchamel

1 caldo knorr de galinha

sal, gengibre, pimenta, açafrão e caril q.b. (só 1 a 2 pitadas)

cebolinho fresco

coentros frescos

3 colheres de sopa de vinho branco 

1 ovo (para pincelar)

  

  

PREPARAÇÃO

Preparar a massa tal como indica na embalagem. Coloquei 2 quadrados de massa folhada (com os respectivos papéis vegetais que já traziam e pincelados com ovo) de cada vez num pirex (porque não gosto de usar o tabuleiro do próprio forno) e levei ao forno pré-aquecido. Levei 2 a 2. Cada vez demorou cerca de 10 minutos.

Descasquei os camarões (que comprei já cozidos) e reservei.

Cozi levemente os bróculos em água com sal, apenas uma "entaladela". Escorri-os e reservei.

Numa frigideira, levei ao lume com a manteiga, o caldo knorr e os alhos picados. Deixei alourar e adicionei o vinho branco. Passado 1 minuto, juntei os camarões. Temperei com 1 pitada de gengibre, 2 de caril, 2 de açafrão e 2 de pimenta. Mexi bem. Deixei fritar uns 2 a 3 minutos. Retirei os camarões da frigideira, coloquei num prato. Reservei. Na mesma frigideira, ainda com os alhos e todo o tempero que lá tinha ficado dos camarões, salteei os bróculos, durante 5 ou 6 minutos. Retirei-os ainda rijinhos e com aquela cor bem verdinha! Reservei-os, num pratinho também. De seguida, ainda na mesma frigideira, coloquei o queijo e o béchamel. Deixei que se dissolvessem e fundissem num creme homogéneo, que polvilhei com cebolinho fresco picado. Retirei do lume e reservei.

Agora, a facílima montagem: barrar cada quadrado com 1 a 2 colheres de sopa do creme, dispôr por cima 4 camarões e enfeitar com bróculos. Sapicar com mais creme e polvilhar com (poucos) coentros frescos picados. Obviamente, repetir a operação em todos os quadrados...

Aconselho, se for para efeito de prato principal, a servir morno. É mais agradável:)

 

DICA: Se quiser tornar a receita ainda menos calórica, use queijo creme light ou elimine-o simplesmente da receita:)

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Sexta-feira, 28.03.14

Quadrados folhados de pescada e legumes

Bem sei que o doce nunca amargou, mas vamos lá tornar a coisa mais "light"! Vamos lá aligeirar a digestão... O paladar não, esse tenta nunca aligeirar-se! Então, hoje trago uma receita que inventei e todos os meus provadores oficiais aprovaram. O bom regresso à pescada! Isso! Mas esta brincadeira culinária tanto serve como entrada (sem acompanhamento) como pode ser degustada como prato principal. E resulta numa refeição muito agradável, se acompanhada com arroz branco e bróculos (ou salada), por exemplo. Digo mais: pode até resultar numa óptima receita saudável se optar mesmo por acompanhar um único quadradinho destes com um legume à sua escolha. Isto,  para quem deseja manter a linha, já que imagino que não tenha muitas calorias. Eu acho que os bróculos combinam na perfeição e foi o que fiz para me redimir dos bolinhos anteriores...  Redimi-me com classe e sabor:)

INGREDIENTES para 6 Quadrados

6 quadrados de massa folhada fresca de compra

4 medalhões de pescada

2 alhos franceses

1/2 pimento vermelho

7 tomatinhos cereja (tomatinhos "bebés")

3 dentes de alho

1 colher de sopa de manteiga

1 mão cheia de azeitonas verdes recheadas com pimento (daquelas de frasco)

2 colheres de sopa de polpa de tomate

1 caldo knorr de galinha

sal, pimenta, açafrão e orégãos q.b

umas folhas de manjericão fresco

vinho branco q.b.

1 ovo (para pincelar) 

 

PREPARAÇÃO

Preparar a massa tal como indica na embalagem. Coloquei 2 quadrados de massa folhada (com os respectivos papéis vegetais que já traziam e pincelados com ovo) de cada vez num pirex (porque não gosto de usar o tabuleiro do próprio forno) e levei ao forno pré-aquecido. Levei 2 a 2. Cada vez demorou cerca de 10 minutos.

Cozi os medalhões de pescada à parte e reservei.

Numa frigideira, levei ao lume, a colher de manteiga com o caldo knorr, os alhos picados, o pimento e os tomatinhos picados, os alhos franceses partidos em rodelas finas e deixei alourar. Reguei com um pouco de vinho branco e mexi. Acrescentei, de seguida, os temperos (a meu gosto): açafrão, pimenta e orégãos. Adicionei a polpa de tomate e misturei bem, para que tudo ficasse bem envolvido. Deixei cozinhar mais 2 ou 3 minutos e juntei a polpa de tomate. Depois, coloquei os medalhões de pescada dentro desta mistura (cozidos e escorridos) e esmaguei-os com um garfo de pau. Polvilhei com manjericão picado. Mexi tudo muito bem e, por fim, adicionei as azeitonas cortadas em rodelas fininhas.

Deixei apurar mais 1 ou 2 minutos.

Às colheradas, coloquei este preparado por cima de cada quadrado de massa folhada e polvilhei com mais um pouco de manjericão picado.

Repeti esta operação até terminar o "creme de pescada e legumes" e os quadrados folhados.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Quinta-feira, 27.03.14

Bolo da Rainha Vitória

Eu avisei que ando no País dos Morangos, hehe! Morangos frescos, doce de morango, tanto faz... Cor e sabor, isso é que importa! 

Ando bem disposta e alegre. Apetece-me rodear-me de coisas coloridas, bonitas e, de preferência, doces!

Asim, desta vez trago um bolo inglês... O anterior era holandês... Bem, este bolo é conhecido como sendo o bolo preferida da Rainha Vitória para acompanhar o seu chá. E depois de o provarem, perceberão que Sua Alteza tinha bom gosto! Este é, realmente, um bolo delicioso, simples mas com uma massa de textura maravilhosa... e os seus dois cremes... hummm.... Aconselho mesmo a experimentarem!

Supostamente, este é daqueles bolos para dividir a massa por duas formas, rechear e depois montar... Mas como eu só tinha uma forma, foi nessa que fiz. Depois, com uma faca tentei parti-lo ao meio o melhor que pude e recheei! Talvez com as tais duas formas fique mais bonito, mais perfeitinho, mas ao vivo tinha muito bom aspecto e o sabor estava divino!!!! O maridinho apaixonou-se perdidamente pela massa do bolo:)

 

INGREDIENTES

Para a massa:

4 ovos xl (ou, então 5)

225 gr de açúcar

225 gr de farinha

2 colheres de chá de fermento em pó

225 gr de manteiga

2 colheres de chá de essência de baunilha

2 colheres de chá de fermento em pó

Para o Recheio nº 1:

1 embalagem de queijo mascarpone (cerca de 200 a 250 gr)

1 chávena de chá de açúcar em pó

2 colheres de sopa de manteiga sem sal

Para o Recheio nº 2:

1 frasco de geleia de morango (uso daquelas rapsódias de fruta sem adição de açúcar)

Para a Decoração:

açúcar em pó

morangos frescos (se quiserem e tiverem, desta vez não tinha)

PREPARAÇÃO

Bata os ovos com o açúcar, junte a farinha com o fermento aos poucos e bata muito bem. Por fim, acrescente a manteiga derretida e a baunilha e mexa muito bem de novo.

Unte uma forma (ou duas baixas de 24 cm) com manteiga, forre com papel vegetal igualmente untado. Eu fiz numa forma sem buraco alta.

Verta o preparado na forma ou nas formas e leve ao forno. É rápido. Retire quando ainda estiver bem fofo e apenas dourado, mas cozido, claro. Deixe arrefecer. Desenforme. Se fez numa forma única, corte o bolo ao meio, no sentido horizontal. Agora, faça o recheio nº 1. Leve ao lume a manteiga até derreter. Apague o lume e junte o açúcar e mexa muito bem. Acrescente o mascarpone e bata com a batedeira até obter um creme homogéneo, liso e fofo. Se quiser, pode adicionar umas gotinhas de baunilha. Barre metade do bolo com este recheio. Reserve. Agora, trata-se do recheio nº 2... Bata o doce de morango, para que fique sem grumos, até ficar mais liso e homogéneo. Verta por cima do outro recheio. Tape o bolo, com a outra metade. Polvilhe o topo do bolo com açúcar em pó e se quiser enfeite com alguns morangos frescos... E já está! De comer e salivar por mais!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Quarta-feira, 26.03.14

Bolo holandês com cobertura de morangos e chantilly

Oficialmente estamos na Primavera! O tempo anda frio mas a minha alma já me pede coisas coloridas, mais alegres... Por isso, vou desde já avisando, que os morangos vermelhinhos me cativaram o coração....

A massa deste bolo holandês é super saborosa, até se come simples! Já faço este bolo há vários anos. É um bolo excelente para rechear e cobrir, só para rechear ou só para cobrir. Pode ser feito em forma lisa ou com buraco. O original é recheado e coberto com chantilly e pêssego... e acreditem que é divinal! Mas, como ando de olho nos belos morangos que tenho visto... Decidi fazer um bolo holandês liso e só com cobertura de chantilly e morangos. Ficou muito bom!

Claro que bolo é bolo e que se come a qualquer altura - com um cházinho ou café num lanche, etc. -, mas, pessoalmente, quando faço Bolo Holandês sirvo-o sempre como sobremesa, depois da refeição.

INGREDIENTES

Para a massa:

5 ovos inteiros

250 gr de açúcar

250 gr de farinha

250 gr de manteiga

1 colher de sopa de essência de baunilha

1 colher de sopa (não muito cheia) de fermento em pó

Para a cobertura:

200 ml de natas

4 colheres de sopa de açúcar

umas gotinhas de essência de baunilha

1 folha de gelatina incolor

1 caixinha de morangos

PREPARAÇÃO

Aqueça o forno a uma temperatura de 180ºC.

Bata os osvos inteiros até ficarem em espuma. Adicione-lhes o açúcar e bata até obter volume. Acrescente a farinha (com o fermento), a manteiga derretida e aromatize com baunilha. Mexa tudo muito bem.

À parte, unte uma forma com manteiga e forre com papel vegetal igualmente untado. Verta o preparado do bolo para a forma e leve ao forno, por cerca de 35 minutos (consoante o seu forno, no meu leva até mais). 

Depois de cozido, retire e deixe arrefecer. Desenforme.

Faça a cobertura...

Lave e corte mais de metade dos morangos em pedaços pequenos, como se os picasse grosseiramente. Os restantes corte verticalmente para ficar com fatias de morango do tamanho dele próprio. Reserve.

Faça o chantilly, batendo as natas com o açúcar e aromatizando com umas gotinhas de baunilha. De seguida, quando o chantilly já estiver praticamente no ponto, acrescente-lhe a folha de gelatina completamente diluída (em 2 colheres de sopa de água quente e se quiser acaba por dilui-la no microondas) e bata uns segundos. 

Agora, pode fazer o final de duas maneiras... Ou leva o chantilly ao frigorífico por 1 hora ou 2, para que fique logo mais firme, e depois barra o bolo e decora com os morangos por cima... Ou, desde que o bolo esteja completamente arrefecido, pode barrá-lo imediatamente com o chantilly e enfeitar com os morangos e depois levá-lo ao frigorífico. E depois para servir, retire-o do frigorífico com uns 20 minutos ou meia hora de antecedência... Bom apetite!

  

 

DICA: A folha de gelatina no chantilly ajuda-o a ficar mais fixo, porque os bolos de chantilly depois de algumas horas começam a "derreter"... Assim, aguenta melhor e não altera o sabor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Terça-feira, 25.03.14

Sopa de legumes sem batata

Na semana passada só fiz uma vez sopa e isso desiquilibra-me um pouco os almoços, o peso, etc! Ah, ah! Então, para começar bem a semana, hoje lá fui fazer uma panela, que rende cerca de 6 a 7 sopas. Mas decidi fazer sopa sem batata, o que até não costumo muito. Embora, na maioria das vezes, não ponha muitas batatas (só na sopa de agrião e na de nabiça, porque me sabe bem um sabor tão simples e gosto de olhar para a sua cor clarinha só com os verdes a boiarem)... Ok, mas esta tem até um sabor intenso e zero batatas! É que hoje pesei-me e tinha 1 kg a mais e eu já costumo ser rolicinha, não preciso de mais! Não sei se foi de um remédio que tenho andado a tomar ou se, sem dar conta, comi - assim, como quem não quer a coisa - uns bolitos a mais... Não interessa! O facto é que não sou fanática de dietas, não deixo de comer o que gosto, não me importo de uns quilitos a mais mas tenho os meus limites. E este quilito passa 1 quilito dos meus limites, que já são até bem simpáticos... Portanto, lá fui fazer a sopita para remediar as coisas:)

 

INGREDIENTES

2 courgetes grandinhas

1 beringela

1/2 pimento vermelho

2 alhos franceses

4 cenouras

1 couve coração de boi pequena

1 pequeno raminho de coentros frescos

1 caldo knorr de legumes

água, sal e azeite q.b.

 

PREPARAÇÃO

Descascar as courgetes, a beringela e as cenouras. Partir às rodelas e colocar num tacho grande.

Retirar s primeiras 2 ou 3 folhas aos alhos franceses (eliminá-las) e cortá-los às rodelas. Juntar aos outros legumes. Partir o pimento em pedaços e deitá-lo, com os coentros e o caldo de legumes no referido tacho. Encher com água. Temperar com algum sal. Tapar e deixar cozinhar. Quando tudo parecer cozinhado, apagar o lume e passar com a varinha mágica, por fiorma a obter um creme homogéneo. 

Entretanto, lavar a couve e cortá-la em pedacinhos mesmo pequenos (como se a estivesse a ralar com a faca) para dentro do tacho. Levar de novo ao lume, brado, e ir mexendo, para que não se cole ao fundo.

Quando a couve parecer cozinhada, rectificar o tempero. Apagar o lume e adicionar um feio de azeite. Mexer bem com a colher de pau, para que o azeite se dissolva na sopa.

Pronta a servir!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Segunda-feira, 24.03.14

Empadão de carne

Empadão de carne é fácil de fazer e sabe sempre bem, acompanhado por uma saladinha de alface e tomate. As crianças costumam adorar e cá por casa não é excepção... Se quiser fazer para que dure para outra refeição, aconselho a usar puré instantâneo. Conserva-se melhor.

 

INGREDIENTES para 8 PESSOAS (o meu pirex é grande e tem altura)

900 gr a 1 kg de carne de vaca picada (se puder peça no talho para picar com um pouco de chouriço corrente)

400 gr de puré (gosto do Jerónimo Martins)

9dl de leite (quantidade indicada pela marca de puré que uso, pois sei que varia de marca para marca)

1,5 de água (quantidade indicada pela marca de puré que uso, pois sei que varia de marca para marca)

2 colheres de sopa de manteiga

4 dentes de alho

1 cebola

azeite q.b.

100 ml de polpa de tomate

2 colheres de sopa de Ketchup

1 caldo knorr de galinha

sal, orégãos e manjericão q.b.

umas folhinhas de coentros frescos

1 ovo

 

PREPARAÇÃO

Comece por fazer o puré, segundo as indicações da embalagem. No puré, usa-se água, leite, sal e manteiga. Coloque pouco menos do que metade do puré num pirex. Como se o forrasse.

Reserve o restante.

Agora, faça a carne picada. Leve ao lume, num fio de azeite, os alhos e a cebola picada. Adicione o caldo de galinha. Quando alourados, junte a carne. Quando esta deixar de estar vermelha e já tiver cor de cozinhada, acrescente a polpa de tomate e o Ketchup. Rectifique o tempero. Deixe cozinhar. No fim, polvilhe com os coentros.

Depois, com uma escumadeira, vá retirando a carne da panela ou frigideira, escorrendo-a o máximo possível (não a queremos com molho, o molho foi só para lhe dar sabor) e colocando por cima do puré que já está no pirex de ir ao forno. Tape, assim, esse puré com uma camada generosa de carne. De seguida, tape essa camada de carne com o restante puré que havia reservado. Pincele com um ovo batido e leve ao forno para gratinar.

Sirva com salada de alface e tomate, por exemplo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Sexta-feira, 21.03.14

Tabuleiro de bolinhos de abóbora

Já devem ter percebido que bolinhos de tabuleiro são comigo! Amo! Acho que são bonitos, mimosos, e parecem "pecados menores", além de serem polivalentes. Afinal, servem para festas, para simples chás ou "sobremesas a acompanhar o cafézito depois da refeição"... E, são, também uma gulodice! Ah, pois! Às vezes, com a mania de que como são pequeninos se está a comer menos vamos comendo mais um, mais outro e... quase que lhes perdemos a conta:) Estes, são simples, de abóbora, fôfos e fazem parte das receitas que se repetem. Além disso, por estas bandas, doces de cenoura e de abóbora são muito bem vindos! Que tal experimentar fazê-los neste fim de semana?! O tempo andava tão simpático, veio a Primavera e arrefeceu. Neste preciso momento, ouço as gotinhas da chuva a cair lá fora! Uns bolinhos para aconchegar a alma? :)

 

 

 

INGREDIENTES (para um tabuleiro grande)

cerca de 1kg de abóbora descascada, crua e cortada aos cubos 

2 chávenas de chá de óleo

6 ovos

3 chávenas de chá de açúcar mascavado

1 chávena de chá de açúcar normal

3,5 chávenas de chá de farinha de trigo com fermento

1 colher de sopa de fermento em pó

Noz moscada, gengibre e canela em pó a gosto

umas gotinhas (a gosto) de essência de baunilha

 

PREPARAÇÃO

Semi-cozer previamente a abóbora. Reservar.

Bater os ovos, o açúcar e o óleo. Adicionar a abóbora (bem escorrida) e bater bem até obter uma massa homogénea. Depois, juntar a farinha e o fermento em pó e mexer bem. Levar ao forno (pré-aquecido) num tabuleiro untado com manteiga e forrado com papel vegetal (igualmente untado), a uma temperatura média, durante, talvez uns 45 minutos. Não gosto muito de dar tempos de cozedura porque, pelo menos no meu caso, raramente batem certo com o que vem nas receitas... ou é do meu forno ou... não sei... Portanto, este tabuleiro estará cozido quando fizerem o teste do palito e sair sequinho. Não deixe que cozam demais, para se manterem fofinhos. Estes bolinhos são óptimos para um lanche, acompanhados de um café ou chá... ou até de um chocolate quente... E vão saber muito bem neste fim de semana, agora que o mau tempo parece ter regressado...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Sexta-feira, 21.03.14

Tarte merengada de chocolate

Bem sei que disse que este blog era uma compilação de receitas da minha casa. Umas muito antigas, já da minha avó e da minha madrinha; outras que criei ou adoptei e que se fazem com regularidade. Mas como a vida não é estática, todos os dias criamos novas memórias e acrescentamos sal e açúcar à nossa existência. São as novidades, os acrescentos que nos enriquecem. Assim, ando numa fase de experimentar receitas novas e as que mais gostar serão acrescentadas à lista das "receitas de uma vida", ou seja, significa que as irei fazer mais vezes.

Além disso, gosto de fotografar o que cozinho, e, portanto, nem todas as minhas receitas antigas estão fotografadas. À medida que as vou repetindo vou esforçando-me por não me esquecer da fotografia, porque agora tenho este blog:) Mas, entretanto, vou fotografando também as novidades.

Esta novidade que vos trago hoje é a tarte merengada de chocolate. Confesso que me encheu o olho mas não o paladar. Mas como todos nós temos gostos diferentes, aqui vos deixo a receita para o caso de quererem provar. É que é um doce nada doce. Ok, também não gosto de doces enjoativos mas doces sem sabor não... Para isso, escuso de engordar, hehe! Ou bem que me satisfaz e compensa ou não...

Come-se, não vou dizer que não... mas não é nada de especial e não vai integrar a minha lista de "Receitas de uma vida"... Mas, por exemplo, tenho um amigo que gosta de doces nada doces que de certeza ia aprovar:)

INGREDIENTES

Base:

325 gr de biscoitos de chocolate (usei bolachas maria de chocolate)

100 gr de manteiga

Recheio:

5 gemas

6 colheres de sopa de açúcar em pó

6 colheres de sopa de farinha de milho

800 ml de leite

100 gr de tablete de chocolate de culinária derretido

Cobertura de Merengue:

4 claras

200 gr de açúcar em pó

umas gotinhas de essência de baunilha

 

PREPARAÇÃO

Esmagar as bolachas e misturar-lhes a mateiga derretida. Envolver bem, fazendo uma massa homegénea e com aspecto areado. Forrar o fundo de uma tarteira de 26cm. Piquei com um garfo. Reservei.

Para o recheio, bater as gemas com o açúcar e a farinha de milho, adicionar um pouco de leite. Aquecer a maior parte do leite, até ferver e colocar por cima da mistura das gemas, sem parar de bater. De seguida, levar todo o preparado ao lume brando, até engrossar. Fica com aspecto de leite creme consistente. À parte, derreter o chocolate. Por fim, juntar o chocolate derretido ao creme anterior e envolver muito bem. Parece um leite creme de chocolate. Despejar sobre a base de biscoito. Reservar.

Depois, faz-se o merengue... Bata as claras em castelo e vá acrescentando o açúcar, sempre a bater... e a essência de baunilha. Quando obtiver um preparado duro e brilhante está pronto. Cubra a tarte com o merengue. Se quiser pode enfeitá-la, usando um saco de pasteleiro ou uma seringa... Leve ao forno (pré-aquecido), até o merengue dourar, a cerca de 170 ou 180 ºC.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Quarta-feira, 19.03.14

Hamburgers com cebola e pimento

 

 

Esta é uma receita super simples e nem sei se digna de figurar por aqui, tal a sua simplicidade! Mas, como, no fundo, também acredito que a simplicidade pode ser reconfortante e ter os seus encantos... Então, trata-se de uma receita de hamburgers. Pode ser confeccionada com hamburgers de vaca, frango, porco, o que mais gostar e tiver em casa. É só para variar dos rápidos haburgers grelhados ou fritos com arroz ou batata, aqueles 100% básicos. Assim, com esta roupa colorida, os ditos hamburgers ganham um pouco mais de graça:)

 

INGREDIENTES para 5 a 10 PESSOAS

10 hamburgers (usei de frango e de vaca, daqueles da Iglo, a pressa era muita)

azeite, sal, orégãos e pimenta q.b.

1 caldo knorr para bifes

2 cebolas

2 ou 3 dentes de alho

1/2 pimento encarnado

1 tomate maduro

3 colheres de sopa de vinho branco

 

PREPARAÇÃO

Leve 2 frigideiras com um fio de azeite ao lume. Numa, junte-lhe os alhos picados, a cebola cortada em meias luas, o pimento cortado em tiras, o tomate picado, uma pitada de sal, o caldo knorr e uma pitada de pimenta. Mexa bem e deixe ir alourando.

Na outra, vá passando (dos 2 lados) os hamburgers. À medida que os vai passando e que eles ficam semi-feitos, coloque-os na frigideira da cebola e do pimento. Antes de os lá colocar, deite o vinho branco e mexa. Agora, sim, ponha os hamburgers, em lume brando. Esses vão acabando de cozinhar e não ficam secos à espera dos outros. 

Entretanto, na frigideira que contém apenas azeite, ponha já a segunda remessa de hamburgers a fritar. Depois de fritos, junte-os aos outros na outra frigideira e deixe amaciá-los. Assim, obterá uns hamburgers mais macios, suculentos e coloridos. Rectifique o tempero com alguns orégão e sirva, acompanhados de arroz branco e salada.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Quarta-feira, 19.03.14

Caril de camarão

 

Sempre gostei de caril. Caril de frango, caril de camarão... E cá por casa, a família aprecia, desde que não seja um caril muito picante. E, apesar de tudo, julgo que o caril de camarão é melhor um pouco mais picante do que o de frango. Portanto, estava eu a dizer, que sempre comemos caril (seja de frango ou de camarão) de vez em quando, mas agora passámos a comer mais vezes, porque a filhota mais nova adora. É o prato favorito da miúda, que tem uns gostos culinários extremamente exóticos (e em alguns casos, até refinados) para a tenra idade...

 

INGREDIENTES para 6 a 7 PESSOAS

1, 100 a 1,200 Kgs de gambas

50 gr de caril em pó (= 1 pacote grande da Margão)

4 pitadas de pimenta

4 pitadas de açafrão

2 pitadas de orégãos

1 pitada de gengibre

1 caldo knorr de galinha

sal e azeite q.b

1/2 cebola

2 dentes de alho

400 ou 600 ml de leite de coco (é cerca de 1 lata ou de lata e meia)

200 ml de natas (1 pacote pequeno)

1 copo de leite normal (se só usarem 400 ml de leite de côco)

1 raminho de coentros frescos

 

PREPARAÇÃO

Usei camarão já cozido, pelo que foi só descascá-lo e parti-lo em 2 ou 3 pedaços cada. E reservei.

Num tacho, forrado com algum azeite, levei ao lume a cebola picada, os alhos picados, o caldo Knorr e deixei alourar. Juntei o leite de côco e misturei bem. Acrescentei o açafrão e envolvi. De seguida, aos poucos, deiteo o pó de caril e mexi muito bem para que não ganhe grumos. Acrescentei a pimenta (provem, entre cada pitada, para que fique a vosso gosto. Cá por casa não gostamos muito de coisas bastante picantes...). Juntei o gengibre e os orégãos. É importante mexer bem entre cada adição de especiarias. Depois, acrescentei as natas e achei que precisava de uma pitada de sal.  Voltei a mexer muito bem, por forma a obter um creme homogéneo. Polvilhei com bastantes coentros (os coentros refrescam muito o sabor). No fim, juntei os camarões ou gambas. Só no fim, para que não voltem a cozer e fiquem cozidos demais! Misturei. Provei e rectifiquei o tempero. Servi de imediato acompanhado com arroz branco simples e bem solto e com bróculos. Os bróculos são dos legumes que melhor casam com caril! 

 

DICA: O caril pretende-se molhadinho, não deixem engrossar demais o leite e as natas. Aliás, o processo da confecção do molho desde que ele vai ao lume é bem rápido!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Terça-feira, 18.03.14

Empadão de salsichas frescas

  

Este empadão é receita da minha avó. Portanto, um "clássico" para a minha família. Se inicialmente pode parecer uma combinação estranha ou pouco apelativa de ingredientes, depois de se provar... aprova-se! E o excelente é que tem pouca gordura, contém legumes... é diferente, original... Uma comidinha "higiénica" (como lhe costumo chamar) e muito saborosa. Ah, e é bonito de se ver a mistura de cores no prato!

 

INGREDIENTES para 5 a 6 PESSOAS

12 salsichas frescas (uso umas do meu talho que têm pouquíssima gordura, aliás, de outra forma não gostaria delas)

1 nabo

300 gr de ervilhas

2 a 3 cenouras

300 gr de puré de batata instantâneo ou cerca de 8 boas batatas para fazer puré

sal, manteiga e leite q.b (para o puré)

1 ovo para pincelar

 

 

PREPARAÇÃO

Desta vez, fiz com puré instantâneo. É mais prático e sabe bem na mesma. Como já disse, gosto de usar a marca Jerónimo Martins, portanto usei a água e o leite que a embalagem indica e 1 colher de sopa de manteiga. Assim, fiz o puré e reservei-o.

Primeiro, descasquei o nabo e parti-o em cubos pequeninos. Descasquei as cenouras e cortei-as, igualmente, em cubos pequeninos. Coloquei o nabo e a cenoura, juntamente com as ervilhas e as salsichas, numa panela com água e sal e levei tudo a cozer. Assim que as salsichas estejam cozidas, retire-as, escorra-as e corte-as às rodelas (não muito grossas nem muito finas). Reserve. Depois, verifique se os legumes tabém estão cozidos (não os deixe empapar) e se "sim" retire-os, escorra-os muito bem. E forre com os legumes o fundo do pirex grande que irá levar ao forno. Tente que fiquem bem distribuídos. De seguida, disponha por cima dos legumes as rodelas de salsichas. Cubra com o puré que fez. Pincele com o ovo e leve ao forno só para gratinar. Acompanhe com salada!

 

DICA: Se preferir fazer com puré de batata "verdadeiro", os procedimentos são quase idênticos. Apenas leve 2 tachos ao lume: 1 com as batas e metade das salsichas e o outro com os legumes e a restante metade das salsichas. Ou seja, divida as salsichas pelo tacho das batatas para fazer o puré (estas irão dar-lhe um gostinho) e pelo tacho dos legumes. E pronto, escorra as batatas, passe-as com a ajuda do passe-vite, adicione um pouco de leite e manteiga... O resto faz-se igualzinho!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Sábado, 15.03.14

Bolo de chocolate com creme de mascarpone

 

Bem, e como é fim de semana... que tal algo para adoçar a alma? Seja à sobremesa, ao lanche ou quando mais apetecer... E quem resiste a um bolinho de chocolate?! Então, aqui vai a receita de um bolo que sai sempre bem e que pode ser feito com recheios, coberturas e caldas diferentes. Desta vez, porque o sol que (finalmente) apareceu me deixou com o coração mais colorido, decidi-me por um bolinho com mais cores. Assim, ao castanho adicionei branco e vermelho... Ah, e deixem lá estar a balança sossegadinha que não vão precisar, é fácil e prático, mede-se tudo às canecas...

 

INGREDIENTES

Bolo:

4 ovos

2 chávenas de farinha

2 chávenas de açúcar

1 chávena de óleo

1 chávena de chocolate em pó

1 colher de chá de fermento

1 chávena de água quente (quando o bolo já estiver bem batido)

 

Recheio e cobertura:

2 caixas de queijo mascarpone

2 chávenas de açúcar em pó

2 colheres de sopa de manteiga sem sal

umas gotinhas de essência de baunilha

 

Decoração (facultativa):

cerejas cristalizadas

PREPARAÇÃO

Bater as claras em castelo e reservar.

Misturar os restantes ingredientes todos (menos a água). Bater muitobem. Acrescentar a água e voltar a bater. Envolver as claras em castelo. Mexer bem com a colher de pau. Verter o preparado numa forma previamente untada com manteiga e forrada com papel vegetal (igualmente untado com manteiga). Levar ao forno, em lume não muito alto.

Quando o bolo estiver cozido (verifica-se com o teste de lhe espetar um palito e este sair seco), retirar do forno. Esperar que arrefeça. Desenformar. 

Entretanto, prepare o recheio... Leve a manteiga a derreter em lume brando (só clarificá-la). Retire do lume. Acrescente o mascarpone e o açúcar e a essência de baunilha e bata muito bem, até obter um creme esbranquiçado. Reserve.

Corte o bolo ao meio, no sentido horizontal. Recheie com metade do creme. Cubra com a outra metade e barre o restante creme no bolo, tentando cobri-lo por completo (topo e laterais).

Se quiser decorar com as cerejas cristalizadas... Antes, lave-as em água morna, para lhes retirar o açúcar. Seque-as com um pano e enfeite com elas o bolo. Leve ao frigorífico umas duas horas, para o creme ficar mais consolidado. E depois, sirva! Seja guloso(a):)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Sábado, 15.03.14

Petiscar chouriço, morcela e farinheira

Fim de semana... Que tal uns petiscos? Com os amigos, com a família, com ambos? Uns miminhos para o fim de semana?

A sério... para petiscar a meio da tarde ou para servir como entradas, os enchidos nacionais são de comer e chorar por mais. Assim, aqui ficam ideias rápidas e saborosas!

 

Chouriço assado

 

INGREDIENTES

2 chouriços de carne

1 dl de alcool (pelo menos)

 

PREPARAÇÃO

Golpeie os chouriços de ambos os lados (como se o fosse partir às rodelas). Verta o álcool na parte inferior da assadeira e coloque os chouriços por cima. Acenda (pegue fogo ao alcool) e deixe assar. Vá virando de vez em quando.

Morcela de arroz

 

INGREDIENTES

1 morcela de arroz

2 dentes de alho

1 cebola

água e hortelã q.b.

 

PREPARAÇÃO

Leve um tacho ao lume com água , a cebola, os alhos e a hortelã. Junte a morcela e deixe cozer, entre 10 a 15 minutos. Depois de cozido, retire o enchido, corte-o às rodelas e sirva.

 

 

Farinheira

 

INGREDIENTES

1 farinheira

água e sal q.b.

 

PREPARAÇÃO

Pique a farinheira com um garfo ou espete 2 palitos nas extremidades. Coloque-a num tacho com água e sal, em quantidade suficiente para a cobrir. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Sexta-feira, 14.03.14

Açorda de alheira

Admito que, durante anos, nunca me passara pela cabeça comer (muito menos fazer) açorda de alheira. Na verdade, nem sabia da sua existência. Até que há uns anos, um grande amigo meu pintor e também excelente cozinheiro, o Jorge, fez uma na minha cozinha. Lembro-me bem... Foi para um almoço rápido e daqueles quase inesperados em que nem temos a dispensa cheia e ficamos a olhar à volta para tentar magicar algo comestível. Só vos digo: amei! Mesmoooo! Noutro dia, ele repetiu a proeza para o resto da família e todos gostaram imenso, até a minha filhota mais velha que torcia sempre o nariz a açordas. De facto, acho até que se tornou um dos seus pratos favoritos! É um prato muito agradável e como adoro açorda e adoro alheiras (ou não tivesse eu uma avó transmontana), fiquei encantada em poder casar estas duas iguarias!

Para já, fica aqui a sugestão, que é, sem sombra de dúvida, muito fácil, rápida e económica, sem a qual (nós pelo menos) nunca mais passaremos!

 

INGREDIENTES para 3 PESSOAS

1 pão fatiado tipo alentejano ou de Rio Maior (gosto de usar o de Rio Maior médio e fatiado do Pingo Doce) - caso não tenham também podem usar outro desde que  tenha alguma consistência e não seja insonso ou adocicado. O pão que usarem fará toda a diferença

1 alheira (na maioria das vezes, uso uma caseira, que tem sempre um sabor mais intenso; mas se não tiverem podem usar uma de boa qualidade)

2 gemas de ovo

4 a 5 dentes de alho esmagados e partidos em bocados ou picados

1 raminho generoso de coentros

água, sal e azeite q.b

 

PREPARAÇÃO

Começo por colocar um fio de azeite num tacho e juntar-lhe os alhos esmagados e semi partidos e deixo alourar só um pouquinho. Quanto ao pão, esse parto-o previamente em pedaços pequenos e só uso metade das côdeas (não gosto de uma açorda demasiado grossa). Coloco-o no tacho, envolvo bem no azeite e nos alhos e adiciono água quente. Com um garfo de pau vou mexendo bem, ajudando a esmagar o pão... A água? É a olho, pois depende muito do pão... Costumo ir adicionando aos poucos, quando vejo que é necessário. Ou seja, quando vejo que o pão já a absorveu toda e ainda não o tenho na consistência macia que desejo. Pelo meio, mas já perto de atingir a tal consistência preferida, adiciono uma alheira sem pele, partida aos bocadinhos (tipo esfarelada). Mexo bem. Quero que se dissolva no pão. Chegado a esse ponto de pefeita consistência para o meu gosto (cada um terá o seu), rectifico o tempero adicionando um pouco de sal caso necessite. De seguida, pico bastantes coentros e envolvo carinhosamente tudo. De salientar que esta é uma açorda que não se deseja enjoativa, com um sabor fortemente vincado, apenas com um agradável "perfume" de alheira...

Há quem só adicione as gemas na mesa, mas gosto de o fazer logo na cozinha. Acrescento as gemas e incorporo-as energicamente para que não cozam. As gemas conferem uma textura mais aveludada, uma corzinha e brilho à açorda. Enfeito com umas folhinhas de coentros e está pronta a servir!

Bom apetite.

 

DICA: Os coentros refrescam a açorda e dão-lhe um gostinho muito especial. Açorda e coentros é um casamento para toda a eternidade!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Quinta-feira, 13.03.14

Farrapeira (ou Roupa Velha)

 

Por norma, na maior parte das vezes, não tenho grandes sobras. Isso, porque já conheço os apetites dos bons garfos cá de casa e consigo calcular bem as quantidades. Quando sobra alguma coisa é porque assim o fiz propositadamente. Ou para dar para algum almoço para 2 deles ou porque é algo que gostam muito e se aguenta em condições saborosas para um jantar. Mas há uma coisa que faço sempre: quando há bacalhau cozido com todos, costumo cozinhar umas postas ou lombos a mais, tal como os restantes ingredientes, para depois poder confeccionar a deliciosa Farrapeira (para outros, Roupa Velha). Até acho que gosto mais da Farrapeira do que do bacalhau cozido do dia!!!! Claro que cada um faz bacalhau acompanhado do que quiser, eu gosto de ter: bacalhau, couves, cenouras, bróculos, grão, batatas e ovo cozido (quando não tenho também grelos). Então, aqui fica a dica para aproveitarem este género de sobras...

 

INGREDIENTES (não vou colocar quantidades porque faz-se com sobras e cada um faz com o que tiver)

bacalhau cozido

ovos cozidos

batatas cozidas

cenouras cozidas

bróculos cozidos

couve cozida

grelos cozidos

grão cozido

dentes de alho (gosto de bastantes)

pelo menos meia cebola picada

coentros frescos

 

PREPARAÇÃO

Primeiro, retire a pele e desfie o bacalhau cozido em lascas e reserve. Depois, corte as cenouras e os ovos às rodelas e os restantes legumes (couve, bróculos, batatas, grelos) em bocados e adicione o grão. Reserve.

Numa frigideira, leve ao lume azeite com alhos e cebola picados. Deixe alourar e adicione o bacalhau e os restantes ingredientes, envolva bem tudo, para que ganhe aquele gostinho do refogado. Assim que esteja quente, polvilhe com alguns coentros picados e está prontinho a servir. Acompanhe com azeitonas pretas. É delicioso...

 

DICA

Se conseguir ter as quantidades dos diferentes ingredientes mais ou menos proporcionais, fica mais saboroso. Por exemplo, é bem melhor se tiver uma certa quantidade de bacalhau e batatas, cenouras e couves em proporção, em vez de ter imensas batatas e pouco do resto... E abuse do alho no azeite, é isso que lhe vai conferir aquele saborzinho perfumado tão característico deste prato tipicamente português. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Quarta-feira, 12.03.14

Canelones de salmão e espinafres

Ok, depois de ser a "rapariga da pescada" também sou a "rapariga do salmão". Confesso! E porquê? Sei lá, porque gosto, porque dizem que salmão tem omega 3 e faz bem ao coração, porque devemos comer peixe...  Mas se há coisas que nos sabem bem sempre da mesma forma, coisas que nos trazem saudades e até conforto, outras há que também se devem variar. Mais experiência é sempre bom e se as experiências até são agradáveis também as vamos repetindo... e o nosso universo (seja ele gastronómico ou não) vai enriquecendo... Aqui fica uma experiência mais recente que fiz com o salmão e que não tarda passará a pertencer às coisas de conforto, às repetições para sempre... Este é uma prato muito saboroso, não é tão demorado como possa parecer, tem um aspecto bonito e até serve para algum jantar com convidados...

 

INGREDIENTES para 6 a 7 PESSOAS

6 filetes de salmão frescos (já sem pele e espinhas)

1 saco de espinafres em folha congelados (usei do Pingo Doce)

6 dentes de alho

1 cebola não muito grande

1 embalagem de 200 gr de queijo creme (usei Plhiladelfia)

500 ml de bechamel

200 gr de queijo mozarella ralado

massa de canelones q.b (precisará de cerca de 24 canelones)

1 limão

azeite q.b.

Sal, pimenta, aneto e cebolinho q.b

PREPARAÇÃO

Leve uma frigideira ao lume com os alhos e a cebola picados bem fininhos e um pouco de azeite. Junte uma pitada de sal e deixe alourar um pouco. Adicione o salmão e vá-o salteando e, ao mesmo tempo, esmigalhando com uma espátula de madeira. Envolva tudo muito bem. Acrescente umas gotinhas de sumo de limão e mexa. Junte os espinafres congelados. Deixe cozinhar uns minutos, mexendo sempre e ajudando a desfazer os espinafres, igualmente com a espátula. Depois de todos os ingrdientes se apresentarem cozinhados, acrescente o queijo creme. Deixe-o dissolver-se e misture muito bem. Polvilhe com 1/3 do queijo ralado e volte a mexer até este parecer elástico. Apague o lume e reserve. Entretanto, enquanro ia faxzendo este preparado, poderia ir cozendo os canelones (massa) em água a ferver com sal, retirando-os para um prato, assim que prontos e escorridos. Reserve-os. E continue o processo de ir cozendo canelones...

Num pirex grande de ir ao forno, disponha uma boa camada de bechamel (metade). E polvilhe com um pouco de aneto.

Agora, que já tem o preparado de salmão e espinafres feito e os canelones cozidos segue-se a tarefa de os rechear e isso é bastante simples, faça-o com a ajuda de uma colher. Atenção: às vezes, alguns canelones rompem-se ou a massa já estava semi partida/estalada quando foi a cozer. Não os deite fora, abra a ocanelone como se fosse uma folha, recheie, enrole e acrescente outra folha também partida, por forma a que o rolinho (canelone) sen mantenha... e assim, aproveita-os...

À medida que os vai recheando, coloque-os no pirex, por cima do bechamel, bem juntinhos e organizadinhos (para que caibam todos). No fim, verta o resto do bechamel por cima deles, volte a polvilhar com aneto. Polvilhe, depois, com o queijo ralado e leve ao forno a gratinar. Assim que lhe parecerem gratinados (o queijo completamente derretido), retire. Contudo, pode gostar deles um pouco mais estaladiços e dourados, para tal basta que os deixe a gratinar um pouco mais no forno. Finalmente, retire do forno, polvilhe com cebolinho fresco picado e sirva com uma salada verde, tomates cereja (ou tomates bebés como lhes chamam os meus filhos) e rodelas de rabanete...

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Terça-feira, 11.03.14

Caldeirada de lulas e pescada

 

Caldeirada de lulas, receita original da minha avó, que a fazia deliciosa e com frequência.  Do meu cunho, acrescentei-lhe os medalhões de pescada - que não retiram o sabor ao prato e ajudam a enchê-lo de modo mais económico quando assim houver necessidade. Por esta altura, já devem pensar "Esta rapariga só come pescada! Ou esta rapariga não sabe dar descanso à pescada?!"... ah, ah! Sei! Mas é verdade que, apesar de tudo, continua a ser um dos meu peixes preferidos, das crianças também e, além disso, serve muito bem ou para acrescentar pratos deste género ou para confeccionar outros (só de pescada) muito rápidos para dias em que nem sabemos o que vamos fazer para o jantar! Ok, mea culpa: sou fã!

Agora, vamos às lulas... Gosto imenso.  Mas é algo que faço de tempos a tempos, pois encolhem e para nós que somos muitos e (pior) comilões acabam por não render... Ah, mas há alguns pratitos com lulas, como esta caldeirada, que não dispenso fazer de vez em quando. Esta caldeirada é muito simples e saborosa.

 

INGREDIENTES para 5 ou 7 Pessoas

2 kgs de lulas limpas congeladas

2 tomates maduros

1/2 pimento vermelho

1 a 2 cebolas

3 dentes de alho

1 cálice generoso de vinho branco

1 pacote pequeno de polpa de tomate

água, azeite, sal, orégãos, manjericão e pimenta q.b.

2 folhas de louro

1 caldo knorr de galinha

1 raminho de coentros

cerca de 1,5 kg de batatas

+ 4 medalhões de pescada (se for para 6 a 7 pessoas)

 

PREPARAÇÃO

Comece por semi-cozer as lulas num tacho à parte. De seguida, escorra-as. Abra-as para verificar como está o seu interior, apesar de limpas algumas ainda trazem uma palhetazinha transparente semelhante a plástico... As que tiverem, retire-lhes isso. Corte em pedaços, reserve. 

Num tacho bem grande, forrado com algum azeite, leve ao lume os alhos picados, o pimento picado, os tomates picados, a cebola partida às meias luas, as folhas de louro, uma pitada de sal e o caldo knorr. Deixe alourar, junte as batatas partidas em pedaços médios com a grossura de um dedo (em termos de altura) e acrescente água. Tape com a tampa e deixe cozinhar uns 5 minutos. Adicione a pescada (se quiser e precisar que o prato lhe renda mais), a polpa de tomate e o vinho branco. Deixe cozinhar e reduzir um pouco o molho. Por fim, acrescente uma pitada de pimenta, os orégãos e o manjericão. Junte as lulas.  Mexa bem, rectifique o tempero e deixe cozinhar mais 2 ou 3 minutos, não muito mais pra que as lulas não comecem a encolher e cuidado para não empapar as batatas! Polvilhe abundantemente com coentros picados e sirva. Acompanhe com uma salada:) 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Segunda-feira, 10.03.14

Pescada de fricassé (da minha avó)

 

Pois é, hoje trago-vos outra receita de pescada. Por sinal, deliciosa e muito simples de fazer. Esta receita já vem da minha avó, o que significa que desde criança que como esta pescada de "fricassé". E lembro-me que, apesar de não gostar de pescada quando era miúda, adorava este prato. Os cozinhados da minha avó são sempre especiais. Primeiro, porque adorava e adoro a minha avó (mesmo que já não viva connosco); segundo, porque fazem parte das memórias das minhas papilas gustativas; terceiro, porque a minha avó era uma cozinheira excelente e, quarto, porque ela tinha o condão de fazer pratos deliciosos com pouca gordura. E, convenhamos, que - tretas à parte - a maioria dos pratos mais saborosos sempre é mais engordativa. Ok, é um facto que, hoje em dia, já podemos até fazer as mesmas receitas usando alguns ingredientes substitutos mais "saudáveis" mas o resultado, por agradável que seja, não é o mesmo... Por exemplo, as ermezetas não têm o sabor do açúcar... e por aí fora... Isto, para não dizer que já há por aí muitos médicos absolutamente contra produtos light, que acreditam ter muito mais químicos e outras "porcarias" ainda mais prejudiciais do que a gordura dos naturais, etc.. Pois, parece que chegámos um pouco ao tempo em que já nem sabemos bem o que, afinal, devemos escolher comer... O que é pior...  Eu, na verdade, acredito que a "moderação" e opções equilibradas serão o mais acertado e não, propriamente, os tais substitutos... Bem sei que aqui coloco muitas receitas boas para elevar o colesterol e coisa e tal... e que as como (satisfeita da vida) mas, por exemplo, depois, tento intervalá-las com refeições mais leves e naturais (um peixinho grelhado apenas com salada, um hamburger grelhado com legumes...) ou com coisas "meio termo", como esta da pescada de fricassé... Pois, para que não digam que sou incoerente, agora aqui a falar de comer bem ou correctamente quando publico tantos doces e pratinhos com natas, ah ah ah! Isto é um blog que se pretende "bom garfo" :) Mas como não quero engordar a blogosfera, de vez em quando uma receitinha de uma garfada mais leve, parece-me sensato:) Também, desde já vos confesso: não vivo para comer e não deixo de viver para não comer. Explico: adoro coisas saborosas, deliciosas, calóricas... sou até rolicinha... mas mantenho alguma preocupação com a saúde. Estabeleci os meus próprios limites! E como sou mãe, também sinto alguma responsabilidade em tentar ensinar aos meus filhos o que lhes faz melhor e pior comer para a saúde deles.

Não sei porque me deu para este monólogo nutricionista... Bem, o mas o que importa - para aqui e agora - é que a minha avó fazia coisas apetitosas e - apesar de não ser muito idosa - pertencia a um tempo em que as comidas eram confeccionadas com ingredientes mais naturais e mais simples.  

INGREDIENTES para cerca de 4 PESSOAS:

4 postas de pescada do Chile congeladas ou 6 a 7 medalhões de pescada (gosto da Iglo)

3 dentes de alho

2 cebolas

sal e azeite q.b.

1 raminho de coentros ou salsa (prefiro coentros)

 

PREPARAÇÃO:

Leve a pescada a cozer num tacho com água, sal, os alhos descascados e as cebolas descascadas e partidas em quartos. Ponha apenas água suficiente para cozer o peixe, não encha a panela.  Depois da pescada cozida, escorra-a e retire-a para a travessa onde irá servir. Reserve.

Por essa altura, também a cebola já deveria estar translúcida... Acrescente um fio de azeite ao caldo das cebolas e alhos que tem na panela (mesmo com a água) e passe tudo com uma varinha mágica. Obtenha um creme liso, suave e esbranquiçado. Polvilhe esse molho com coentros ou salsa picados e verta-o por cima da pescada. Acompanhe esta pescada de fricassé com puré de batata.

Super rápido, super fácil, com um aspecto bonito... E melhor ainda: nada calórico, pelo contrário, uma comida saudável!

As crianças costumam gostar:)

 

DICA: Para fazer o molho, se achar que tem água a mais da cozedura, escorra um pouco para fora, ou seja, elimine um pouco de água. O molho não se pretende demasiado grosso mas também não se quer muito líquido. Outra ideia: se depois de o fazer achar, ainda assim, que está demasiado líquido, acrescente-lhe um pouco de farinha e, em lume brando, mexa até engrossar a seu gosto e sem deixar criar grumos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Quinta-feira, 06.03.14

Tarte de limão merengada

Adoro tarte merengada de limão... mas tem que ser especial:) Assim, vou fazendo receitas até encontrar a "perfeição".  Eu não aprecio por aí além doces de limão. Eu sei, parece um contrasenso, mas gosto mesmo (e só) de tarte de limão merengada. Tem que ser doce, ácida, cremosa e crocante. Adoro a tarte de uma pastelaria onde costumo ir mas sei que não me irão dar a receita:) Então, vou experimentando. Há uns tempos fiz uma que não gostei nada. O sabor em nada se assemelhava. Agora, fiz esta! Esta tem um sabor parecido mas as texturas ainda não são as perfeitas (digo eu que sou esquisita, ah ah). Mas é muito boa. Aconselho!

INGREDIENTES

1 base de massa quebrada

2 latas de leite condensado sem ser cozido

4 ovos (gemas + claras)

sumo de 3 a 4 limões pequenos

6 colheres de sopa de açúcar

2 colheres de farinha de milho ou maizena

 

PREPARAÇÃO
Forre uma tarteira grandinha e alta com a massa quebrada. Pique o fundo com o garfo. Reserve.

Separe as gemas e as claras. As gemas coloque logo numa panelinha, onde vai juntar o leite condensado e levar ao lume brando até engrossar. Adicionar a farinha e o sumo dos limões. Aconselho a ir provando, a partir do sumo do 2º limão, para adequar ao seu paladar. Misturar muito muito bem. Depois de engrossado retirar do lume e verter sobre a massa. Reservar.

Faça o merengue. Bata as claras até ficarem rijas e adicione o açúcar, vá batendo sempre.

Depois, coloque o merengue por cima e leve ao forno para alourar, talvez cerca de 30 minutos, depende do seu forno e do quanto está pré-aquecido. Eu, desta vez, ia-me esquecendo dela:)

Sirva fresquinha!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Bom Garfo

Bons Garfos que me visitaram

Hit Counters
HTML Hit Counter

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Top blogs de receitas


Bons Garfos que fiz

  •  
  • APRESENTAÇÃO DA MINHA COZINHA...

  •  
  • Bolos

  •  
  • Bolos de tabuleiro

  •  
  • Doces de colher

  •  
  • Outros Doces

  •  
  • Quiches & Similares

  •  
  • Saladas

  •  
  • Entradas & Petiscos

  •  
  • Sopas

  •  
  • Carnes

  •  
  • Peixes

  •  
  • Mariscos

  •  
  • Moluscos

  •  
  • Outros pratos

  •  
  •  
  • Acompanhamentos

  •  
  • Receitas + saudáveis (menos calóricas)

  •  
  • Idéias Rápidas

  •  
  • Sugestões de decoração

  •  
  •  
  • Curiosidades sobre...

  •  
  •  
  • Para meter o garfo e a colher...

  •  
  •  
  • Utensílios de Cozinha

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  • OUTRAS COZINHAS QUE VISITO

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  • MAIS SOBRE MIM (PINTURA)



    Bons garfos cá por casa


    My Stick Family from WiddlyTinks.com